2Corp

Gestão Empresarial – Diagnóstico

Gestão Empresarial – Diagnóstico
Gestão empresarial- Diagnóstico Imagina agendar um check up periódico para a sua empresa, assim como você faz para você. Estranho? Não, fundamental. Assim como você, empresas precisam de um olhar holístico para orientar a gestão e a única forma de fazer é através de um diagnóstico isento e objetivo. Nas grandes empresas o setor de controladoria entre outros cumpre este papel. Nas empresas médias e pequenas uma boa solução é realizar diagnósticos periódicos e independentes. Por que fazer o check up empresarial? São vários os benefícios de se fazer um checkup da gestão empresarial. Neste artigo vamos focar num aspecto, mas muito importante: assim como num checkup pessoal, o profissional deve ser qualificado para isso, ser de fora da organização e ter as melhores ferramentas para a avaliação. Para as empresas de capital aberto se recomenda que contratem conselheiros independentes. Os conselheiros independentes são aqueles que não têm ligação com os grupos controladores da empresa e de preferência que não possuem ações das empresas em que atuam como conselheiros, mas que aportam uma grande experiência. Por exemplo, no Brasil a maior referência na formação de conselheiros é o IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa). As empresas familiares ou de capital fechado também podem contratar conselheiros com o objetivo de terem uma visão profissional e desapaixonada sobre a gestão da empresa. E para as empresas de pequeno e médio porte o diagnóstico, realizado por profissionais independentes e experientes pode ser uma ferramenta valiosa para a gestão empresarial dessas empresas, com ótima relação custo-benefício Veja este artigo sobre a terceirização nos dias de hoje. O que é apurado num diagnóstico da gestão empresarial? O objetivo do diagnóstico é o de identificar riscos e oportunidades na gestão da empresa e a consequente no desempenho. Você pode contratar check ups focados nos riscos empresariais, no desempenho de áreas específicas, como financeiro, TI, marketing, comercial, ou no desempenho geral da empresa. Os diagnósticos gerais avaliam com lupa a área financeira.Fazendo uma analogia simples, este é o coração da empresa. A partir da área financeira é possível se avaliar o desempenho das artérias e veias – as áreas funcionais - como comercial, produção ou prestação de serviços, entre outras. Qual a diferença entre auditoria e diagnóstico? Esta é uma diferença importante: não se trata de auditoria e sim de uma avaliação do desempenho das várias áreas da empresa. O objetivo principal da auditoria é avaliar se os processos de uma empresa estão obedecendo às regras internas da empresa e a legislação em geral. Já o diagnóstico sugere riscos e oportunidades que permitirão evitar possíveis problemas no futuro próximo ou de longo prazo. O diagnóstico avalia, sobretudo, o desempenho da gestão empresarial. O diagnóstico permite avaliar o futuro da empresa a partir da sua situação atual, apontando riscos e oportunidades. Qual a diferença entre controladoria e diagnóstico? A controladoria é absolutamente necessária numa empresa de porte médio, com faturamento anual acima de 100 milhões de reais e de grande porte. Porém em empresas médias, com faturamento anual menor que 100 milhões de reais, e pequenas pode não fazer sentido quando analisados os custos e benefícios É aí que o diagnóstico atua como ferramenta de controladoria terceirizada. O diagnóstico será executado por um time externo com experiência em gestão e que produzirá relatórios regulares. Qual a periodicidade ideal para realização de diagnósticos? Não devemos negligenciar saúde, nem a sua nem a da empresa. Por isso é necessário o diagnóstico periódico. Mas não existe uma periodicidade ideal ou padrão para todas as empresas. Mas digamos que minimamente as empresas devem fazer pelo menos um diagnóstico ao ano. A partir das conclusões do diagnóstico se pode definir um calendário de diagnósticos com uma periodicidade compatível com os planos de ação estabelecidos a partir das conclusões do "check up anual”. O diagnóstico vai apontar os erros das áreas e os responsáveis pelos erros? O diagnóstico da gestão empresarial não aponta erros, este é o objetivo da auditoria. O diagnóstico vai apontar possíveis riscos e oportunidades de melhoria para a empresa. É a única ferramenta que vai possibilitar aos empreendedores terem uma visão isenta e por inteiro sobre a sua empresa. E, para as áreas funcionais, servirá de ponto de partida para a definição de planos de ação e daí táticos, que melhoraram a performance da empresa. Quais profissionais da empresa devem contribuir para o diagnóstico? Minimamente é importante a participação dos principais sócios da empresa, os principais executivos responsáveis pela gestão – comercial, operação/produção, financeiro e o contador da empresa. Que documentos são analisados para elaboração do diagnóstico? No mínimo a equipe de diagnóstico deve ter acesso aos principais demonstrativos financeiros, balanços e balancetes, DREs (demonstrativos de resultado), DFCs (demonstrativos de fluxo de caixa), e DMPLs (demonstrativos da mutação do patrimônio líquido). O empreendedor pode não ter familiaridade com esses demonstrativos, o que é bem usual, porém a contabilidade da empresa conhece e gera regularmente esses demonstrativos, como parte do seu trabalho. Além desses documentos é recomendável que o time de diagnóstico converse com os principais executivos, sócios e o contador, para obter uma melhor compreensão dos números nos demonstrativos. Principais diagnósticos especializados Além dos diagnósticos sobre o desempenho geral da empresa, realiza-se diagnósticos especializados como por exemplo, diagnósticos dos processos de uma área específica, como financeiro ou compras. Em se falando de século XXI, faz-se fundamental o diagnóstico especializado do “sistema nervoso” de toda empresa: a área da tecnologia da informação e comunicação (TIC). A variedade de soluções e riscos nesta área é enorme. É imperioso que as empresas façam diagnósticos rotineiros, independentes, para terem certeza de que estão operando em bases seguras, confiáveis e atualizadas com a sua estrutura de TIC. Novamente, e aqui nos referindo ao “pulmão” da empresa, há uma urgência em dedicar tempo, esforço e conhecimento qualificado para os riscos na gestão dos aspectos ambientais, sociais e de governança (ESG). A partir de agora e pelos próximos anos, os contratantes e os agentes financeiros cobrarão de seus fornecedores e clientes a comprovação de que adotam as melhores práticas na área de ESG. Para mais informações sobre este e outros serviços, visite nosso site exclusivo de gestão empresarial e conheça as soluções de diagnóstico que a 2Corp pode oferecer para a sua empresa.

Imagina agendar um check up periódico para a sua empresa, assim como você faz para você. Estranho? Não, fundamental.

Assim como você, empresas precisam de um olhar holístico para orientar a gestão e a única forma de fazer é através de um diagnóstico isento e objetivo. Nas grandes empresas o setor de controladoria entre outros cumpre este papel. Nas empresas médias e pequenas uma boa solução é realizar diagnósticos periódicos e independentes. 

Por que fazer o check up empresarial?

  Gestão empresarial- Diagnóstico   Imagina agendar um check up periódico para a sua empresa, assim como você faz para você. Estranho? Não, fundamental.   Assim como você, empresas precisam de um olhar holístico para orientar a gestão e a única forma de fazer é através de um diagnóstico isento e objetivo. Nas grandes empresas o setor de controladoria entre outros cumpre este papel. Nas empresas médias e pequenas uma boa solução é realizar diagnósticos periódicos e independentes.  Por que fazer o check up empresarial?   São vários os benefícios de se fazer um checkup da gestão empresarial. Neste artigo vamos focar num aspecto, mas muito importante: assim como num checkup pessoal, o profissional deve ser qualificado para isso, ser de fora da organização e ter as melhores ferramentas para a avaliação.  Para as empresas de capital aberto se recomenda que contratem conselheiros independentes. Os conselheiros independentes são aqueles que não têm ligação com os grupos controladores da empresa e de preferência que não possuem ações das empresas em que atuam como conselheiros, mas que aportam uma grande experiência.  Por exemplo, no Brasil a maior referência na formação de conselheiros é o IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa).  As empresas familiares ou de capital fechado também podem contratar conselheiros com o objetivo de terem uma visão profissional e desapaixonada sobre a gestão da empresa. E para as empresas de pequeno e médio porte o diagnóstico, realizado por profissionais independentes e experientes pode ser uma ferramenta valiosa para a gestão empresarial dessas empresas, com ótima relação custo-benefício  Veja este artigo sobre a terceirização nos dias de hoje. O que é apurado num diagnóstico da gestão empresarial?   O objetivo do diagnóstico é o de identificar riscos e oportunidades na gestão da empresa e a consequente no desempenho.   Você pode contratar check ups focados nos riscos empresariais, no desempenho de áreas específicas, como financeiro, TI, marketing, comercial, ou no desempenho geral da empresa.  Os diagnósticos gerais avaliam com lupa a área financeira.Fazendo uma analogia simples, este é o coração da empresa. A partir da área financeira é possível se avaliar o desempenho das artérias e veias – as áreas funcionais - como comercial, produção ou prestação de serviços, entre outras.   Qual a diferença entre auditoria e diagnóstico?  Esta é uma diferença importante: não se trata de auditoria e sim de uma avaliação do desempenho das várias áreas da empresa.  O objetivo principal da auditoria é avaliar se os processos de uma empresa estão obedecendo às regras internas da empresa e a legislação em geral.  Já o diagnóstico sugere riscos e oportunidades que permitirão evitar possíveis problemas no futuro próximo ou de longo prazo.  O diagnóstico avalia, sobretudo, o desempenho da gestão empresarial.  O diagnóstico permite avaliar o futuro da empresa a partir da sua situação atual, apontando riscos e oportunidades. Qual a diferença entre controladoria e diagnóstico?   A controladoria é absolutamente necessária numa empresa de porte médio, com faturamento anual acima de 100 milhões de reais e de grande porte.  Porém em empresas médias, com faturamento anual menor que 100 milhões de reais, e pequenas pode não fazer sentido quando analisados os custos e benefícios É aí que o diagnóstico atua como ferramenta de controladoria terceirizada.  O diagnóstico será executado por um time externo com experiência em gestão e que produzirá relatórios regulares. Qual a periodicidade ideal para realização de diagnósticos?   Não devemos negligenciar saúde, nem a sua nem a da empresa.  Por isso é necessário o diagnóstico periódico.  Mas não existe uma periodicidade ideal ou padrão para todas as empresas.  Mas digamos que minimamente as empresas devem fazer pelo menos um diagnóstico ao ano. A partir das conclusões do diagnóstico se pode definir um calendário de diagnósticos com uma periodicidade compatível com os planos de ação estabelecidos a partir das conclusões do "check up anual”.   O diagnóstico vai apontar os erros das áreas e os responsáveis pelos erros?  O diagnóstico da gestão empresarial não aponta erros, este é o objetivo da auditoria.  O diagnóstico vai apontar possíveis riscos e oportunidades de melhoria para a empresa.  É a única ferramenta que vai possibilitar aos empreendedores terem uma visão isenta e por inteiro sobre a sua empresa. E, para as áreas funcionais, servirá de ponto de partida para a definição de planos de ação e daí táticos, que melhoraram a performance da empresa.   Quais profissionais da empresa devem contribuir para o diagnóstico?   Minimamente é importante a participação dos principais sócios da empresa, os principais executivos responsáveis pela gestão – comercial, operação/produção, financeiro e o contador da empresa. Que documentos são analisados para elaboração do diagnóstico?   No mínimo a equipe de diagnóstico deve ter acesso aos principais demonstrativos financeiros, balanços e balancetes, DREs (demonstrativos de resultado), DFCs (demonstrativos de fluxo de caixa), e DMPLs (demonstrativos da mutação do patrimônio líquido).  O empreendedor pode não ter familiaridade com esses demonstrativos, o que é bem usual, porém a contabilidade da empresa conhece e gera regularmente esses demonstrativos, como parte do seu trabalho.  Além desses documentos é recomendável que o time de diagnóstico converse com os principais executivos, sócios e o contador, para obter uma melhor compreensão dos números nos demonstrativos. Principais diagnósticos especializados   Além dos diagnósticos sobre o desempenho geral da empresa, realiza-se diagnósticos especializados como por exemplo, diagnósticos dos processos de uma área específica, como financeiro ou compras.  Em se falando de século XXI, faz-se fundamental o diagnóstico especializado do “sistema nervoso” de toda empresa: a área da tecnologia da informação e comunicação (TIC).  A variedade de soluções e riscos nesta área é enorme. É imperioso que as empresas façam diagnósticos rotineiros, independentes, para terem certeza de que estão operando em bases seguras, confiáveis e atualizadas com a sua estrutura de TIC.  Novamente, e aqui nos referindo ao “pulmão” da empresa, há uma urgência em dedicar tempo, esforço e conhecimento qualificado para os riscos na gestão dos aspectos ambientais, sociais e de governança (ESG). A partir de agora e pelos próximos anos, os contratantes e os agentes financeiros cobrarão de seus fornecedores e clientes a comprovação de que adotam as melhores práticas na área de ESG.  Para mais informações sobre este e outros serviços, visite nosso site exclusivo de gestão empresarial e conheça as soluções de diagnóstico que a 2Corp pode oferecer para a sua empresa.
Gestão Empresarial – Diagnóstico

São vários os benefícios de se fazer um checkup da gestão empresarial. Neste artigo vamos focar num aspecto, mas muito importante: assim como num checkup pessoal, o profissional deve ser qualificado para isso, ser de fora da organização e ter as melhores ferramentas para a avaliação.

Para as empresas de capital aberto se recomenda que contratem conselheiros independentes. Os conselheiros independentes são aqueles que não têm ligação com os grupos controladores da empresa e de preferência que não possuem ações das empresas em que atuam como conselheiros, mas que aportam uma grande experiência.

Por exemplo, no Brasil a maior referência na formação de conselheiros é o IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa).

As empresas familiares ou de capital fechado também podem contratar conselheiros com o objetivo de terem uma visão profissional e desapaixonada sobre a gestão da empresa.

E para as empresas de pequeno e médio porte o diagnóstico, realizado por profissionais independentes e experientes pode ser uma ferramenta valiosa para a gestão empresarial dessas empresas, com ótima relação custo-benefício  Veja este artigo sobre a terceirização nos dias de hoje.

O que é apurado num diagnóstico da gestão empresarial?

O objetivo do diagnóstico é o de identificar riscos e oportunidades na gestão da empresa e a consequente no desempenho.

Você pode contratar check ups focados nos riscos empresariais, no desempenho de áreas específicas, como financeiro, TI, marketing, comercial, ou no desempenho geral da empresa.

Os diagnósticos gerais avaliam com lupa a área financeira. Fazendo uma analogia simples, este é o coração da empresa.

A partir da área financeira é possível se avaliar o desempenho das artérias e veias – as áreas funcionais – como comercial, produção ou prestação de serviços, entre outras.

Qual a diferença entre auditoria e diagnóstico?

Esta é uma diferença importante: não se trata de auditoria e sim de uma avaliação do desempenho das várias áreas da empresa.

O objetivo principal da auditoria é avaliar se os processos de uma empresa estão obedecendo às regras internas da empresa e a legislação em geral.

Já o diagnóstico sugere riscos e oportunidades que permitirão evitar possíveis problemas no futuro próximo ou de longo prazo.

O diagnóstico avalia, sobretudo, o desempenho da gestão empresarial.

O diagnóstico permite avaliar o futuro da empresa a partir da sua situação atual, apontando riscos e oportunidades.

Qual a diferença entre controladoria e diagnóstico?

  Gestão empresarial- Diagnóstico   Imagina agendar um check up periódico para a sua empresa, assim como você faz para você. Estranho? Não, fundamental.   Assim como você, empresas precisam de um olhar holístico para orientar a gestão e a única forma de fazer é através de um diagnóstico isento e objetivo. Nas grandes empresas o setor de controladoria entre outros cumpre este papel. Nas empresas médias e pequenas uma boa solução é realizar diagnósticos periódicos e independentes.  Por que fazer o check up empresarial?   São vários os benefícios de se fazer um checkup da gestão empresarial. Neste artigo vamos focar num aspecto, mas muito importante: assim como num checkup pessoal, o profissional deve ser qualificado para isso, ser de fora da organização e ter as melhores ferramentas para a avaliação.  Para as empresas de capital aberto se recomenda que contratem conselheiros independentes. Os conselheiros independentes são aqueles que não têm ligação com os grupos controladores da empresa e de preferência que não possuem ações das empresas em que atuam como conselheiros, mas que aportam uma grande experiência.  Por exemplo, no Brasil a maior referência na formação de conselheiros é o IBGC (Instituto Brasileiro de Governança Corporativa).  As empresas familiares ou de capital fechado também podem contratar conselheiros com o objetivo de terem uma visão profissional e desapaixonada sobre a gestão da empresa. E para as empresas de pequeno e médio porte o diagnóstico, realizado por profissionais independentes e experientes pode ser uma ferramenta valiosa para a gestão empresarial dessas empresas, com ótima relação custo-benefício  Veja este artigo sobre a terceirização nos dias de hoje. O que é apurado num diagnóstico da gestão empresarial?   O objetivo do diagnóstico é o de identificar riscos e oportunidades na gestão da empresa e a consequente no desempenho.   Você pode contratar check ups focados nos riscos empresariais, no desempenho de áreas específicas, como financeiro, TI, marketing, comercial, ou no desempenho geral da empresa.  Os diagnósticos gerais avaliam com lupa a área financeira.Fazendo uma analogia simples, este é o coração da empresa. A partir da área financeira é possível se avaliar o desempenho das artérias e veias – as áreas funcionais - como comercial, produção ou prestação de serviços, entre outras.   Qual a diferença entre auditoria e diagnóstico?  Esta é uma diferença importante: não se trata de auditoria e sim de uma avaliação do desempenho das várias áreas da empresa.  O objetivo principal da auditoria é avaliar se os processos de uma empresa estão obedecendo às regras internas da empresa e a legislação em geral.  Já o diagnóstico sugere riscos e oportunidades que permitirão evitar possíveis problemas no futuro próximo ou de longo prazo.  O diagnóstico avalia, sobretudo, o desempenho da gestão empresarial.  O diagnóstico permite avaliar o futuro da empresa a partir da sua situação atual, apontando riscos e oportunidades. Qual a diferença entre controladoria e diagnóstico?   A controladoria é absolutamente necessária numa empresa de porte médio, com faturamento anual acima de 100 milhões de reais e de grande porte.  Porém em empresas médias, com faturamento anual menor que 100 milhões de reais, e pequenas pode não fazer sentido quando analisados os custos e benefícios É aí que o diagnóstico atua como ferramenta de controladoria terceirizada.  O diagnóstico será executado por um time externo com experiência em gestão e que produzirá relatórios regulares. Qual a periodicidade ideal para realização de diagnósticos?   Não devemos negligenciar saúde, nem a sua nem a da empresa.  Por isso é necessário o diagnóstico periódico.  Mas não existe uma periodicidade ideal ou padrão para todas as empresas.  Mas digamos que minimamente as empresas devem fazer pelo menos um diagnóstico ao ano. A partir das conclusões do diagnóstico se pode definir um calendário de diagnósticos com uma periodicidade compatível com os planos de ação estabelecidos a partir das conclusões do "check up anual”.   O diagnóstico vai apontar os erros das áreas e os responsáveis pelos erros?  O diagnóstico da gestão empresarial não aponta erros, este é o objetivo da auditoria.  O diagnóstico vai apontar possíveis riscos e oportunidades de melhoria para a empresa.  É a única ferramenta que vai possibilitar aos empreendedores terem uma visão isenta e por inteiro sobre a sua empresa. E, para as áreas funcionais, servirá de ponto de partida para a definição de planos de ação e daí táticos, que melhoraram a performance da empresa.   Quais profissionais da empresa devem contribuir para o diagnóstico?   Minimamente é importante a participação dos principais sócios da empresa, os principais executivos responsáveis pela gestão – comercial, operação/produção, financeiro e o contador da empresa. Que documentos são analisados para elaboração do diagnóstico?   No mínimo a equipe de diagnóstico deve ter acesso aos principais demonstrativos financeiros, balanços e balancetes, DREs (demonstrativos de resultado), DFCs (demonstrativos de fluxo de caixa), e DMPLs (demonstrativos da mutação do patrimônio líquido).  O empreendedor pode não ter familiaridade com esses demonstrativos, o que é bem usual, porém a contabilidade da empresa conhece e gera regularmente esses demonstrativos, como parte do seu trabalho.  Além desses documentos é recomendável que o time de diagnóstico converse com os principais executivos, sócios e o contador, para obter uma melhor compreensão dos números nos demonstrativos. Principais diagnósticos especializados   Além dos diagnósticos sobre o desempenho geral da empresa, realiza-se diagnósticos especializados como por exemplo, diagnósticos dos processos de uma área específica, como financeiro ou compras.  Em se falando de século XXI, faz-se fundamental o diagnóstico especializado do “sistema nervoso” de toda empresa: a área da tecnologia da informação e comunicação (TIC).  A variedade de soluções e riscos nesta área é enorme. É imperioso que as empresas façam diagnósticos rotineiros, independentes, para terem certeza de que estão operando em bases seguras, confiáveis e atualizadas com a sua estrutura de TIC.  Novamente, e aqui nos referindo ao “pulmão” da empresa, há uma urgência em dedicar tempo, esforço e conhecimento qualificado para os riscos na gestão dos aspectos ambientais, sociais e de governança (ESG). A partir de agora e pelos próximos anos, os contratantes e os agentes financeiros cobrarão de seus fornecedores e clientes a comprovação de que adotam as melhores práticas na área de ESG.  Para mais informações sobre este e outros serviços, visite nosso site exclusivo de gestão empresarial e conheça as soluções de diagnóstico que a 2Corp pode oferecer para a sua empresa.                               A controladoria é absolutamente necessária numa empresa de porte médio, com faturamento anual acima de 100 milhões de reais e de grande porte.

Porém em empresas médias, com faturamento anual menor que 100 milhões de reais, e pequenas pode não fazer sentido quando analisados os custos e benefícios

É aí que o diagnóstico atua como ferramenta de controladoria terceirizada.

O diagnóstico será executado por um time externo com experiência em gestão e que produzirá relatórios regulares.

Qual a periodicidade ideal para realização de diagnósticos?

Não devemos negligenciar saúde, nem a sua nem a da empresa.

Por isso é necessário o diagnóstico periódico.

Mas não existe uma periodicidade ideal ou padrão para todas as empresas.

Mas digamos que minimamente as empresas devem fazer pelo menos um diagnóstico ao ano. A partir das conclusões do diagnóstico se pode definir um calendário de diagnósticos com uma periodicidade compatível com os planos de ação estabelecidos a partir das conclusões do “check up anual”.

O diagnóstico vai apontar os erros das áreas e os responsáveis pelos erros?

O diagnóstico da gestão empresarial não aponta erros, este é o objetivo da auditoria.

O diagnóstico vai apontar possíveis riscos e oportunidades de melhoria para a empresa.

É a única ferramenta que vai possibilitar aos empreendedores terem uma visão isenta e por inteiro sobre a sua empresa. E, para as áreas funcionais, servirá de ponto de partida para a definição de planos de ação e daí táticos, que melhoraram a performance da empresa.

Quais profissionais da empresa devem contribuir para o diagnóstico?

Minimamente é importante a participação dos principais sócios da empresa, os principais executivos responsáveis pela gestão – comercial, operação/produção, financeiro e o contador da empresa.

Que documentos são analisados para elaboração do diagnóstico?

No mínimo a equipe de diagnóstico deve ter acesso aos principais demonstrativos financeiros, balanços e balancetes, DREs (demonstrativos de resultado), DFCs (demonstrativos de fluxo de caixa), e DMPLs (demonstrativos da mutação do patrimônio líquido).

O empreendedor pode não ter familiaridade com esses demonstrativos, o que é bem usual, porém a contabilidade da empresa conhece e gera regularmente esses demonstrativos, como parte do seu trabalho.  Além desses documentos é recomendável que o time de diagnóstico converse com os principais executivos, sócios e o contador, para obter uma melhor compreensão dos números nos demonstrativos.

Principais diagnósticos especializados

 

Além dos diagnósticos sobre o desempenho geral da empresa, realiza-se diagnósticos especializados como por exemplo, diagnósticos dos processos de uma área específica, como financeiro ou compras.

Em se falando de século XXI, faz-se fundamental o diagnóstico especializado do “sistema nervoso” de toda empresa: a área da tecnologia da informação e comunicação (TIC).

A variedade de soluções e riscos nesta área é enorme. É imperioso que as empresas façam diagnósticos rotineiros, independentes, para terem certeza de que estão operando em bases seguras, confiáveis e atualizadas com a sua estrutura de TIC.

Novamente, e aqui nos referindo ao “pulmão” da empresa, há uma urgência em dedicar tempo, esforço e conhecimento qualificado para os riscos na gestão dos aspectos ambientais, sociais e de governança (ESG). A partir de agora e pelos próximos anos, os contratantes e os agentes financeiros cobrarão de seus fornecedores e clientes a comprovação de que adotam as melhores práticas na área de ESG.

Para mais informações sobre este e outros serviços, visite nosso site exclusivo de gestão empresarial e conheça as soluções de diagnóstico que a 2Corp pode oferecer para a sua empresa.

Entre em Contato | 2Corp

Otimizamos os processos, definimos metas, lideramos a solução e medimos os resultados

(21) 99031-6004